Bastidores editoriais - Avaliação de originais



Hoje trago uma dica para você que há meses envia seu original para todo lado e... nada...

É comum autores tentarem a sorte durante a busca por publicação. Editoras encaram isso como o fato mais corriqueiro de sua empresa, mas existem alguns textos que chamam muito mais atenção que outros. Então o avaliador utiliza sua bola de cristal para conseguir ler o original ou desiste logo em seguida, argumentando a incapacidade de leitura. E isso não é para assustar não, é a mais pura verdade. Já explico o motivo.


- Não seja ingênuo, sua obra é realmente lida! (Ou sujeita a tentativas)

Às vezes o autor imagina que sua criatividade e ideias são tão boas, que o avaliador não irá reparar a ortografia. Outros pensam que são tão bons na linguagem que não precisam de um revisor:

--- Por que gastar dinheiro com revisão, se o original for aprovado, passará por um profissional. Vou eu mesmo ler e ponto.

Aí é que mora o perigo! Estamos mais preocupados com a aprovação em si, do que como este projeto será apresentado. Não é frescura não, mas a pessoa mais interessada no sucesso de sua obra deve ser você. Se o leitor se irrita ao ler algo publicado com erros, imagina o avaliador que não está ali para adivinhar o que uma expressão mal formulada quer dizer.
É obrigação do autor apresentar seu texto revisado por um profissional, ao invés de ser lido pelos amigos, outros escritores, professores, pais, namorados e irmãos. Errar é comum, temos vícios de linguagem e não percebemos quando erramos. A leitura de seu original será muito melhor aproveitada - sem erros de português, digitação, vícios de linguagem e outros - caso tenha sido revisado antes do envio para uma editora, sem dizer que enviar um texto com erros é falta de educação.  O encarregado de lê-lo e aprová-lo dará atenção à mensagem, e será prazerosa a leitura. Caso suas ideias sejam realmente inovadoras, você terá grandes chances de ser aprovado, é claro, se os interesses da editora estejam de acordo com a proposta de seu projeto. 

- Vou aproveitar para mandar o original para todas as editoras de uma só vez!

A ânsia de publicar é tão grande, que a criatura escritora não percebe as gafes cometidas durante o processo de envio dos originais. 
Você pode e deve enviar seu original para um número grande de editoras sim, desde que se atente a algumas regrinhas básicas, para não começar sua empreitada com o pé esquerdo.
São elas:
- Jamais coloque no mesmo email, o mesmo original endereçado para um número x de editoras. Primeiro, porque mesmo colocando em Cco, muitas vezes o email não esconde os destinatários. E quando uma editora  recebe algo assim, no mínimo, é desconfortável compartilhar deste desespero por uma casa. Depois, quem recebe fica receoso de ler e aprovar, sabendo que alguma daqueles editoras também estão em posse do mesmo documento, e também podem aprovar. Resultado - desistência da leitura. Pelo menos seria para algumas editoras que prezam a ética e política de boa vizinhança.  O coerente neste caso é mandar seu original para uma casa que tem em seu catálogo, temas parecidos com o seu, e neste caso, mande e aguarde a resposta antes de enviá-lo para outra editora. Já vi casos em que o mesmo original foi enviado para editoras diferentes e foi aprovado por duas. Ótimo, você provou que é bom, mas provou também que é antiético, pois a surpresa para uma das editoras foi grande quando viu o  título que aprovou, anunciado por outra como seu novo lançamento. Nunca sabemos quando isso poderá acontecer ou se vamos nos manter na mesma casa para todo sempre, sempre e amém. Se precisar enviar novo original para a editora que você deu esse tipo de mancada, certamente seu filme já estará queimando há muito tempo por aquelas bandas. 
O correto é - enviar emails individuais, pois nem toda editora examina de forma geral um original. Existem editoras que não recebem textos por emails, e preferem o envio pelo correio. Se você insistir pelo método prático, econômico e eletrônico, adeus chances... Um bom observador gravará o nome de sua obra, e mesmo se enviar pelo correio depois de muitas tentativas pela forma mais rápida, corre-se o risco de seu título já estar na lista negra, pois um autor que já quer entrar em uma editora com intenção de fazer do jeito dele, não se importará com as diretrizes da casa e, consequentemente, será uma péssima parceria. Fique de olho!  

- Eu fui reprovado, mas vou tentar mandar mais uma vez... Hehehe, quem sabe mudando o nome do título eu não consigo despistar...

Que coisa feia? Será que esse autor merece ter seu livro publicado? Trapaças nunca são bem-vindas, nem no meio editorial, nem em qualquer lugar. Além de ter seu livro reprovado, seu marketing pessoal, negativou, e isso será repassado para outras editoras. As editoras se comunicam entre si, é claro que isso um dia chegará ao ouvido de outra casa. O bom é não bancar o esperto, e escrever um novo livro, com novo tema. O mais coerente é este autor reincidente em reprovação tentar descobrir o que há de errado com sua escrita, e buscar por um assessor literário que o orientará através de oficinas, técnicas e dicas. 
Muitas pessoas dizem que originais de autor nacional nem chegam à mesa do editor, isso já está ultrapassado e não é verdade. Seja esperto, aprimora-se e tente cometer o menor número de erros possíveis.

- Está demorado demais... Eu vou mandar email e vou cobrar uma resposta!

Antes de eu dizer qualquer coisa sobre este tópico, pergunte a você mesmo - isso está certo?
Se trabalhar somente com os percalços editoriais já é um dilúvio, imagina trabalhar sob pressão e ter que adiantar a leitura de um original porque seu autor não consegue praticar a paciência. Não é assim que funciona. Caso não tenha recebido uma resposta, é porque este não é o método da editora trabalhar, e sempre haverá no site desta, um aviso mais ou menos desse tipo - não avisaremos caso seu original for reprovado, mas caso haja uma aprovação, entraremos em contato. 
É difícil conviver com isso? É sim. Parece soberba mas não é. Imagina uma editora que recebe mais de mil originais por mês, ter que parar tudo para responder email por email? 
A saída neste caso é ficar atento ao prazo de avaliação. Caso passe do prazo de você ter uma resposta e nada de ninguém te avisar, não desanime, você foi reprovado e já sabe a resposta. Bola pra frente! Geralmente no caso de originais aprovados, os autores recebem resposta muito antes do prazo indicado para avaliação, pois esse prazo é estimativo. 

- Nessa editora tem selo gratuito e selo pago, vou tentar entrar pelo selo gratuito nem que seja a última coisa que farei em minha vida!

Não vai adiantar, já digo. Cada editora tem seu método de funcionamento e diretrizes. O selo gratuito é sempre almejado por todos devido ao seu prestígio, mas não foi tão fácil chegar lá, pode apostar que o autor que está hoje neste patamar já está há muito tempo no trecho, salvo algumas exceções que não vem ao caso citar aqui. Mas se as informações que obteve disseram que você precisa seguir as regras da empresa, o melhor é não insistir. Você tem a opção de procurar por outra casa menos criteriosa , ou seguir as diretrizes e tentar a sorte. Insistir não te levará a lugar algum, pois o sucesso de seu livro pode nem vir da aprovação, e sim, da aceitação do mercado. Se teu livro foi aprovado por um selo gratuito e não vendeu, para ser mais objetiva, com certeza você está fadado a voltar para o final da fila ou investir, usar de ação criativa, colocar a mão na "massa" literalmente, pois a luta é diária, e não só de vez em quando. Então quando ver um autor bombando com seu livro por aí, antes de julgar procure saber o que ele fez para chegar até lá. Ele não foi somente aprovado, porque isso é avaliar uma expectativa, um potencial. O retorno será construído por você, seja um autor independente, um autor com publicação paga ou gratuita - neste aspecto, a  "labuta" serve para todos, e é exatamente daqui que sairá a diferença. 

Sugestão - Não espere nunca nada de ninguém. Faça o que tiver de ser feito. Pare de reclamar, porque além de ser chato você está denegrindo sua imagem - o autor chorão - já conotou imagem negativa, aí é mais difícil. Respeite o tempo do plantio, nada acontece de uma hora para a outra, estamos há muito pouco tempo no mercado desde Machado de Assis e Clarice Lispector. Sinta-se privilegiado caso já tenha recebido pequenos gestos e demonstrações de reconhecimento por seu trabalho, nem sempre é assim, e muitos queriam este pouco que recebeu. Mantenha o ânimo aceso. Seja um autor positivo.


---------------------------------

Está precisando de assessoria literária?
Estou a sua disposição
CLIQUE

-----------------------------------
Leia a última matéria sobre Marketing
CLIQUE


4 comentários :

  1. Olha Adriana, tudo o que você falou está mais do que certo. Eu compreendo o lado do autor, sua ansiedade e tudo mais, mas sei que muita gente não quer lutar para chegar lá e prefere que as coisas venham de qualquer maneira e rápido. Eu tenho lutado como uma louca. Já levei não na cara muitas vezes, já gastei muito dinheiro, já fiz muitas loucuras, mas eu não quero desistir. Confesso que tudo é difícil, o caminho é cheio de pedras e buracos, mas fazendo o nosso melhor e acreditando que podemos, então conseguiremos. Obrigada pelas dicas, são muito úteis para todos nós. Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Valentine!
      Esteja disposta a enfrentar as barreiras, e elas se tornarão apenas uma dificuldade. Abraços.

      Excluir
  2. É muito bom ler algo de quem entende do assunto e se expressa com categoria, sem perder a compostura. Eu sempre tive uma ideia fixa na minha cabeça e agora Adri, você verbalizou: Não espere nunca nada de ninguém. Faça o que tiver de ser feito.
    Estou começando agora, dando os primeiros passinhos e sabe o que eu faço ao invés de reclamar ou me ofender com as críticas? Procuro ler informativos como este, que com certeza vão me enriquecer de conhecimento.
    Beijos e outra vez, obrigada por compartilhar conosco.

    ResponderExcluir
  3. Realmente é uma luta muitas vezes longa e árdua, ainda mais quando o autor cai na cilada de confiar em alguma editora que se utiliza de um selo pago para explorar o autor. Infelizmente existem editoras que preferem ganhar dinheiro explorando o autor e não fazem nenhum esforço pra vender livros, já pensando no próximo autor que vão extorquir.
    De fato é importante revisar o texto e pedir pra algumas pessoas lerem, além dos profissionais, pois muitas vezes o texto não está claro e uma segunda leitura ajuda a identificar isso.
    Abraço

    ResponderExcluir